Bloqueio judicial do meu salário: e agora?



Quem não conhece alguém que passou pelo constrangimento de ter o seu salário bloqueado em conta? Pois bem, o bloqueio integral do salário é medida ilegal e pode ser combatida pois, em conformidade com o Código de Processo Civil, o salário é impenhorável. Saiba mais.

Atualmente, nosso país enfrenta uma enorme crise financeira e política. Junto, cresce o número de pessoas desempregadas e, consequentemente, uma enorme taxa de inadimplemento assola nosso país.

Uma das formas de garantir o direito de credores, é o bloqueio e consequente penhora on-line de numerários na conta dos devedores. Mas como proceder quando a penhora é realizada em conta salário ou sobre o salário depositado pela empresa em uma conta comum?

Antes de mais nada, cumpre-nos salientar que a conta salário é um tipo de conta aberta pelo empregado por iniciativa do empregador, para o fim exclusivo de que seja feito o depósito dos salários.

O empregador negociará com o banco para que a conta seja aberta e a conta não poderá ser usada para outras finalidades, devendo, apenas e tão somente ser utilizada para movimentação financeira havida entre empregador e empregado.

A principal diferença entre a conta salário e uma conta de depósitos comum, ou poupança, é que a conta salário é intermediada pelo empregador e os serviços disponibilizados, tais como saques no caixa, saques em terminais de autoatendimento e pagamentos diretamente no comércio por meio de cartão ou da internet, entre outros, são negociados pelo empregador.

Além disso, as contas salário não permitem a utilização de cheques e são isentas de tarifas de manutenção ou utilização. Contudo, existe um limite de operações mensais que podem ser realizadas pelos seus titulares.

O Poder Judiciário

Antigamente, o expediente para o bloqueio e penhora judicial era muito burocrático e dependia da expedição de ofícios ao Banco Central. Em muitos casos, quando as contas eram bloqueadas, já não possuíam qualquer valor à disposição.

Em busca de celeridade, então, foram firmados acordos com o Banco Central, e criou-se o Bacen-Jud, sistema onde os magistrados, a pedido da parte interessada e mediante login e senha, emitem ordens tanto para bloqueio, como para desbloqueio dos valores que existam em contas bancárias em nome de devedores.

O sistema, através de pesquisa por CPF ou CNPJ, faz uma pesquisa geral, relatando contas existentes e saldo atualizado em todas as instituições financeiras do país.

Diante de tal situação o juiz, então, verifica o valor do débito e realiza o bloqueio da conta, total ou parcialmente, até o montante da dívida.

Ocorre que, em muitos dos casos, tanto o bloqueio, como a penhora, ocorre sem a citação do devedor e na maioria dos casos, o mesmo só toma conhecimento dos fatos ao tentar efetuar o saque de alguma quantia, ou, quando verifica o extrato.

O bloqueio e a penhora on-line

É de se evidenciar, contudo, que o salário não pode sofrer obstruções, pois é impenhorável. Assim o tratava o antigo CPC, em seu artigo 649 e assim o trata o Novo CPC, em seu artigo 833, inciso IV, que assim prescreve:

 

NCPC, Art. 833. São impenhoráveis:
...
IV - os vencimentos, os subsídios, os soldos, os salários, as remunerações, os proventos de aposentadoria, as pensões, os pecúlios e os montepios, bem como as quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e de sua família, os ganhos de trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal...

 

Sendo assim, é de se evidenciar que o bloqueio ou a penhora total ocorrida sobre salários constitui ilegalidade, já que o legislador foi claro ao assegurar a impenhorabilidade dos proventos salariais.

Contudo, essa injustiça pode ser revertida. Existem algumas medidas que podem ser adotadas, desde que o interessado tenha como comprovar a origem dos valores bloqueados e que tome iniciativas em caráter de urgência.

Inicialmente, será necessário a obtenção de alguns documentos, dependendo do tipo da conta em que ocorreu o bloqueio:

Para o caso de conta salário, o interessado deverá providenciar um extrato atualizado que informe tratar-se de uma conta salário, o cartão da conta e a CTPS ou, ainda, Cartão do INSS para o caso de benefício previdenciário.

Em se tratando de conta corrente, faz-se necessário providenciar extrato registrando o depósito correspondente ao salário, CTPS, contrato de trabalho, holerite, relato de despesas mensais ou, ainda, Cartão do INSS para o caso de benefício previdenciário.

De posse desses documentos, procure um advogado, que poderá ingressar com um pedido de liminar ou outro remédio jurídico com o intuito de liberar de sua conta o bloqueio dos valores relativos ao salário.

Observe, no entanto, que se você recebe seu salário em uma conta comum, valores depositados com origem diversa não estão sujeitos à proteção salarial, sendo passiveis de bloqueio e penhora.

Exceções

A admissibilidade do bloqueio de salário também possui exceções. Citamos, como exemplo, casos decorrentes da dívida de alimentos, por exemplo, que não podem incidir sobre a totalidade do salário do devedor. Na maioria dos casos, é admissível o bloqueio e penhora de até 20% (vinte por cento) mensais do salário do devedor.

 
 
 

PRECISANDO DE AJUDA?

Você tem, ou conhece alguém que tenha, problemas semelhantes ao descrito acima? Nós podemos ajudar! Nossos profissionais são capacitados para defender seus interesses, quer seja em na esfera administrativa ou judicial, em primeira e instâncias superiores. Além disso, atuamos em favor de pessoas físicas e jurídicas. Em havendo problemas com salário bloequado, fale conosco e obtenha ajuda. Aproveite para conhecer nossas atividades em Direito Civil e leia nossos Artigos e Notícias relacionados.


   
 
 

Tags: 

Avaliar Conteúdo: 

Sem avaliações