Desistiu da compra do seu imóvel? Você tem direitos!



Você compra um imóvel na planta e faz um financiamento direto com a construtora. Na entrega das chaves, o financiamento é direto com o banco. Durante a transação, o banco alega que não pode prosseguir, pois sua renda é insuficiente. Veja este e outros casos.

A aquisição de um imóvel na planta, apesar de nos trazer significativa felicidade, pode apresentar diversar armadilhas. E diversos podem ser os motivos: desde o atraso na entrega da unidade adquirida, até a apresentação de problemas estruturais quando concluída a construção.

A perda do emprego ou queda de rendimentos, por exemplo, também são fatores que levam os compradores a desistir de seus sonhos. Mas existem outros casos, como um financiamento negado pelo banco.

Contudo, é um direito líquido e certo do consumidor desistir do negócio em qualquer situação, ainda que o contrato diga que não. E dependendo da situação, também é possível ao consumidor reaver parte de seu dinheiro, também.


RESCISÃO QUANDO AINDA NÃO HOUVE A ENTREGA DAS CHAVES


É bom saber que a operação de compra de imóvel na planta é firmada através de uma promessa de compra e venda futura. Em caso de desistência, se ainda não houve a entrega das chaves, deverá ser firmado um novo contrato entre as partes, dessa vez denominado “distrato”, já que o comprador não necessitará devolver o imóvel, pois este ainda não foi entregue. Em tais circunstâncias, o consumidor ainda poderá reaver boa parte de seu dinheiro.

No entanto, se o comprador informar diretamente à construtora que pretende desistir do negócio, está tentará impor um distrato padrão que, em muitos, casos fere a legislação vigente e acaba por lesionar o consumidor. Em muitos casos, quando o consumidor tenta fazer o distrato diretamente junto à construtora, esta se oferece a devolver entre 20 a 50% dos valores pagos, causando-lhe prejuízos.

Em verdade, atualmente, não há uma lei específica que regulamente a desistência e os direitos do comprador são norteados pelo Código de Defesa do Consumidor.

Caso o consumidor sinta-se lesado, ainda há como tentar diminuir ao máximo o prejuízo, mas é importante que não assine qualquer documento junto à construtora. Sabendo disso, o então comprador deverá procurar um advogado especializado no assunto, que certamente saberá tratar o caso apontando-lhe as mlehores alternativas, inclusive encaminhando o caso para a justiça, se necessário, ingressando com uma Ação de Rescisão Contratual.

Não há definição do porcentual que o consumidor recebe de volta quando pede o distrato. Mas, em decisões judiciais, os consumidores têm conseguido garantir entre 85% e 90% dos valores pagos até o momento da desistência da compra, corrigidos pela inflação e em parcela única.

Quando há descumprimento do contrato contrato por parte da construtora, o consumidor pode recuperar todo o valor que já pagou. Casos típicos são o atraso na entrega das chaves ou a negativa de financiamento por parte dos bancos. Em tais casos, é importnte que se tenha como comprovar os fatos.

Por tais motivos, é extremamente recomendável o amparo jurídico de uma advogado especializado em contratos e distratos durante operações de compra e venda de imóveis, bem como, nos caso de desistência da aquisição e negociação do distrato, como forma de reduzir prejuízos.

É importante frisar que o distrato, ou seja, a desistência, poderá ser solicitado até a entrega das chaves do imóvel.


RESCISÃO APÓS A ENTREGA DAS CHAVES


Após a entrega das chaves, não há dúvidas de que para a construtora o que interessa é o cumprimento integral do ajuste, tal qual firmado. Por tal motivo, é de se questionar se poderia o comprador desistir do negócio a qualquer tempo, devolvendo o imóvel à construtora após dele fazer uso. A questão foi apreciada recentemente pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), fato que certamente poderá influir em contratos futuros.

De acordo com o STJ, deve haver “um limite fático/temporal” para o exercício do direito de desistência de uma compra e venda de imóvel. Isso porque, ao receber a posse do imóvel e ocupar o local ou alugar a unidade a terceiros, o proprietário transforma “o apartamento, que era novo, em usado, iniciando o desgaste que naturalmente ocorre com a ocupação, alterando o valor comercial do bem, que naturalmente, quando vendido na denominada 1ª locação, tem maior valia” (RESP 476780/MG).

A essência do julgamento reflete o princípio da razoabilidade, pois não se afigura razoável, em princípio, que a empresa construtora permaneça, por longo período, ainda vinculada à unilateral vontade do comprador desistente, o qual, inclusive, por motivo de mera conveniência vem a desistir da aquisição, após residir no imóvel e dele se servir por alguns ou muitos anos.

Assim, para aquele Tribunal, a alienação, com a posterior ocupação do imóvel pelo comprador, torna-se irreversível, não mais possibilitando a desistência unilateral nessas circunstâncias, dada a desconfiguração da própria essência do negócio, que objetivava a venda de imóvel novo, que representa, inclusive, o objeto social das empresas construtoras.

É de se obervar que tal entendimento, em suma, visa a coibir praticas abusivas por parte do consumidor. Contudo, o recebimento do imóvel pela construtora poderia, entre outras coisas, propiciar o abatimento do débito, especialmente quando o comprador não mais apresentar condições de arcar com as prestações e nem dispor de patrimônio para responder a um processo de execução.

Por outro lado, proibir a devolução do imóvel após sua entrega ao comprador, fazendo irretratável o contrato, não dá à construtora a certeza do recebimento de seu crédito, mormente se considerarmos que a proposta da devolução é realizada, salvo exceções, quando o comprador não mais dispõe de meios para honrar o ajuste.

Sendo assim, a simples proibição da devolução do imóvel, uma vez ultrapassado o limite fático-temporal sugerido – entrega do bem – pode não ser o melhor caminho tanto à construtora quanto ao comprador, merecendo crítica a eventual adoção desse precedente sem qualquer possibilidade de flexibilização.

Por tal motivo, acreditamos ser perfeitamente lícita a inserção de cláusula, nesse tipo contratual, que preveja a possibilidade de devolução do imóvel, atrelada ao alvedrio do credor, sem abusos, evitando-se, com isso, desistência infundada do contrato por parte do comprador.

Nessa situação, a nosso sentir, haveria perfeita harmonia entre o entendimento acima referido e os casos em particular, que podem trazer consigo riquezas de detalhes que escapam a qualquer limite fático-temporal objetivamente fixado.


RESCISÃO DE CONTRATO PARA IMÓVEIS USADOS


Mesmo em se tratando de imóveis usados, ainda é possível desistir da compra em certas situações. Temos, como exemplo, a constatação de defeitos após a vistoria – o chamado vício oculto. Em tais situações, o comprador tem um prazo para desistir da compra. É o que ocorre, por exemplo, quando se constata uma infiltração grave ou um problema estrutural já existente antes da compra e não constatado durante a vistoria, provavelmente porque porque o problema foi .

De acordo com o Código Civil, esse prazo é de um ano após a constatação do vício. Se tiver havido a intermediação de uma imobiliária e for o tipo de vício que ela deveria conhecer – ou seja, se ficar provado que a imobiliária enganou o comprador – então esse prazo sobe para cinco anos. Isso porque, neste último caso, trata-se de uma relação de consumo, submetida ao prazo de desistência determinado no Código de Defesa do Consumidor.

Se o imóvel não tiver sido financiado, bastará acionar o vendedor e torcer para ele ter dinheiro para devolver, com correção monetária. Dependendo do tempo decorrido desde a compra, é possível que o vendedor não possa mais pagar, o que representa um risco ao distrato.

Em se tratando de imóvel financiado, há um risco adicional. A queixa continua direcionada ao vendedor, mas a dívida no banco não deixará de existir se o comprador desistir da compra. Assim, se o vendedor não puder pagar, o comprador não terá como ressarcir o banco. Contudo, se o imóvel foi avaliado por um especialista do banco, constatando que o imóvel estava em perfeitas condições,  será possível discutor o caso com o banco também. Mas via de regra, quem responde pelo imóvel é o antigo proprietário.

Se o problema não for muito grave e for possível consertá-lo sem maiores transtornos, o comprador pode pedir um abatimento proporcional do preço.

Finalmente, se for um problema de construção, a construtora pode ser responsabilizada, e nesse caso o prazo é geralmente aquele da vida útil da estrutura com defeito. Se a construtora não existir mais ou não puder ser localizada, porém, o vendedor é que deverá responder.


 
 

TÓPICOS RELACIONADOS:

 

- Decidido a comprar o primeiro imóvel? Tome cuidado e tenha paciência
- Imóvel na planta: o perigo mora ao lado
- Os riscos do “contrato de gaveta” na aquisição de imóveis
- Saiba o que fazer ao receber as chaves do seu imóvel

 

PRECISANDO DE AJUDA?

CONTRATOS E DISTRATOS - Todos nós sabemos que um contrato, quando mal redigido, pode causar diversos transtornos para os contratantes. É extremamente importante ter conhecimento jurídico especializado na hora de formailzar um contrato ou distrato. Os trabalhos do escritório FRANCÊ Advogados na área contratual são direcionados para qualquer pessoa ou empresa em vias de formalizar um contrato ou a sua rescisão. Saiba mais, conheça nossos trabalhos com Contratos e em precisando fale conosco.

IMÓVEIS - Nós do FRANCÊ Advogados estamos prontos para prestar-lhe Assessoria Jurídica na aquisição ou locação de seu imóvel. Com grande fluência em Cartórios, podemos conseguir os documentos de que você precisará em um curto espaço de tempo. Além disso, podemos prestar-lhe toda assistência necessária durante a fase de negociações. Saiba mais sobre nossas atividades em Direito Imobiliário e Certidões. Em precisando, fale conosco. Você também pode ler os nossos Artigos e Notícias sobre Direito Imobiliário.

 
 

Tags: 

Avaliar Conteúdo: 

Sem avaliações