Gerente bancário ilegalmente investigado por banco será indenizado



Gerente de agência bancária será indenizado em R$ 30 mil em danos morais. Segundo consta, o banco para o qual trabalhava estava monitorando a sua conta corrente e o convocou para dar explicações sobre sua movimentação financeira. Tal fato é ilegal, pois o próprio banco estava investigando a vida financeira de seus funcionários. Entenda o caso.

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou o Banco Bradesco S.A. a pagar indenização por danos morais de R$ 30 mil por monitorar a conta corrente de um gerente de agência e convocá-lo a dar explicações sobre sua movimentação financeira. Para o desembargador convocado Marcelo Lamego Pertence, relator do processo, "o banco extrapolou os limites impostos pela norma legal".

O que a lei permite

Marcelo Pertence explicou que o artigo 11, incisos I e II, da Lei 9.613/98 (Lei de Lavagem de Dinheiro) dispõe que as instituições financeiras deverão informar as movimentações financeiras que apresentem "sérios indícios" do crime de lavagem de dinheiro ou ocultação de bens, direitos e valores. A Circular 3.461/2009 do Banco Central do Brasil, que fixa as regras para a prevenção e o combate às práticas de lavagem, determina que as instituições bancárias comuniquem ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) as operações superiores a R$ 10 mil realizadas por seus clientes.

O relator destacou que há entendimento da Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do TST quanto à inexistência de dano moral se demonstrado que a atuação da instituição bancária se deu de forma indiscriminada em relação a seus correntistas, e na estrita observância aos dispositivos da Lei 9.613/98. "Em tais circunstâncias, a instituição age por dever legal, não se configurando conduta de caráter fiscalizador ou punitivo dirigida apenas aos empregados", frisou.

Conduta ilegal

Contudo, o relator assinalou que o dever do banco era apenas repassar as informações ao COAF, órgão competente para chamar o funcionário para explicar alguma movimentação extraordinária. O Bradesco, no entanto, quebrou o sigilo bancário do gerente não para o fim do disposto na lei, pois os dados bancários não foram repassados ao Conselho. "Eles foram utilizados pelo próprio banco para investigar a vida financeira de seus empregados", ressaltou.

Assim, o desembargador convocado concluiu que o banco extrapolou os limites impostos pela norma legal, "cometendo ato ilícito, violando a intimidade do empregado, causando-lhe, com essa conduta, dano moral, passível de reparação, na forma do disposto nos artigos 186 e 927 do Código Civil".

A conduta ilícita, porém, não se restringiu apenas à quebra do sigilo bancário. Ao chamar o empregado para prestar explicações, a empresa expôs a sua dignidade e honra, pois o fato chegava ao conhecimento dos outros funcionários da agência. "Além de praticar uma conduta antijurídica, ao cobrar explicações acerca de movimentações extraordinárias, o banco não adotou nenhuma medida para evitar que tal situação constrangedora fosse conhecida por outros trabalhadores da agência", ressaltou.

A decisão foi por maioria quanto ao conhecimento do recurso, vencido o ministro Walmir Oliveira da Costa. No entanto, a decisão sobre o mérito foi unânime.  

Processo: RR-78700-51.2006.5.17.0011

Fonte: TST

 
 

PROBLEMAS COM DIREITO DO TRABALHO?

Você se identifica com uma ou mais das situações apontadas acima? Se você acredita que possui algum direito relacionado aos assuntos tratados neste texto, saiba: nós podemos ajudar. Trabalhamos na defesa dos interesses trabalhistas de empregados, concursados e celetistas. Também atuamos na defesa dos interesses de pequenas e médias empresas. Em havendo problemas, fale conosco! Aproveite e saiba mais sobre as nossas atividades em Direito do Trabalho, leia nossos Artigos ou Notícias e saiba em quais cidades podemos atuar em seu favor, aqui.

 
 
 

Tags: 

Avaliar Conteúdo: 

Sem avaliações