Justiça defere parcialmente pedido de recuperção judicial da OGX

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro aceitou o pedido de recuperação judicial da OGX, de Eike Batista. Segundo a decisão, as empresas têm dívidas e obrigações estimadas em mais de R$ 12 bilhões. Saiba mais.

A decisão do juiz Gilberto Clóvis Farias Matos, da 4ª Vara Empresarial do TJRJ, diz que as empresas OGX Petróleo e Gás Participações S.A. e OGX Petróleo e Gás S.A. devem acrescentar a expressão "em recuperação judicial" em seu nome.

As subsidiárias na Áustria e na Holanda, no entanto, não tiveram o pedido de recuperação aceito por não terem sede no Brasil. Segundo a decisão, falta "fundamento jurídico para se admitir a recuperação judicial em território nacional de empresas sediadas na Áustria e na Holanda, por absoluta ausência de jurisdição".

O juiz diz que o direito brasileiro não pode ser aplicado e a proteção jurídica não pode ser concedida para empresas de outros países porque pode violar a soberania da legislação de outros países. Seria "uma insegurança jurídica perante credores internacionais que não poderiam ter um julgamento de seus créditos apreciados por nossa legislação, ainda mais sem o amparo do nosso direito", diz a decisão.

A decisão determina ainda que as duas empresas que tiveram a recuperação judicial aceita devem apresentar cada uma seu "próprio plano de recuperação judicial, mesmo que sejam idênticos ou interdependentes, e deverão ser analisados separadamente por seus respectivos credores, com absoluto respeito à autonomia patrimonial de cada sociedade".

O juiz escolheu a Deloitte como administradora judicial e deu 24 horas para a empresa apresentar uma proposta de honorários à OGX, que tem outras 24 horas para aceitar ou rejeitar a proposta. O Ministério Público pode apresentar vistas.

A OGX irá recorrer da decisão, disse à Reuters o advogado Márcio Costa, do escritório Sérgio Bermudes, que atende a empresa.

Pedido de recuperação

A petroleira entrou, no dia 30 de outubro, com pedido de recuperação judicial. O pedido foi feito pelo advogado Sergio Bermudes por conta da "situação financeira desfavorável" da empresa, dos prejuízos já acumulados e do vencimento de grande parte de seu endividamento, segundo comunicado da empresa.

No dia seguinte ao pedido de recuperação judicial, 31 de outubro, a empresa anunciou que fechou acordo para vender a fatia que possui na OGX Maranhão – um braço da companhia, ainda considerado confiável, que explora gás na Bacia do Paranaíba. A Eneva, antiga MPX e agora controlada pelo grupo alemão E.ON, e a Cambuhy Investimentos comprarão a OGX Maranhão por R$ 200 milhões.

Nesta quinta, o Conselho de Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a aquisição pela ExxonMobil de 35% da participação detida pela petroleira OGX, em um dos blocos arrematados pela OGX na 11ª rodada de leilão de concessões realizada pelo governo em maio.

Na justificativa do pedido foi apontada a "situação financeira desfavorável em que se encontra, dos prejuízos por ela já acumulados, bem como do vencimento recente e vindouro de grande parte de seu endividamento", diz o fato relevante

OSX

Além da OGX, também a OSX, empresa de construção naval controlada por Eike Batista, entrou com pedido de recuperação judicial em 11 de novembro. O pedido, entregue no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, também abrange as subsidiárias OSX Construção Naval S.A. e OSX Serviços Operacionais Ltda.
 
 

FALE CONOSCO

Problemas com Direito Empresarial? Fale Conosco. Aproveite para conhecer mais sobre as nossas atividades em Direito Empresarial. Você também pode consultar nossos Artigos ou Notícias

  

Tags: 

Avaliar Conteúdo: 

Sem avaliações