Banco indenizará em danos morais por recusar financiamento sem motivos



Banco deverá indenizar cliente em R$ 10 mil por recusar, de forma injustificada, a aprovação de crédito para o financiamento de um veículo. Segundo consta, a cliente teve o crédito negado e não conseguiu esclarecimentos sobre o motivo da recusa. Saiba mais.

O juiz Rodrigo de Silveira (foto), da 4ª Vara Cível de Goiânia, condenou o I. U. S/A a pagar R$ 10 mil de indenização por danos morais a Leila Nogueira dos Santos Diniz, em razão da recusa injustificada de aprovação de crédito para o financiamento de um veículo. A decisão é desta sexta-feira (15).

Consta dos autos que, com o intuito de adquirir um veículo, Leila cumpriu todos os procedimentos burocráticos para obtenção de financiamento com o Itaú Unibanco. Entretanto, foi informada que após a realização de uma análise, o crédito não teria sido aprovado. Insatisfeita, Leila ajuizou ação de reparação de danos morais, devido a dor e humilhação que sofreu. O banco apresentou contestação e alegou que não está obrigado a conceder crédito a todo consumidor. Argumentou ainda que os danos morais sofridos pela cliente não foram comprovados, não tendo que se falar em indenização.

O magistrado considerou que Leila deve ser indenizada em razão da expectativa de obter o financiamento e diante a frustração da ausência de esclarecimento do motivo da recusa pelo crédito pretendido. De acordo com Rodrigo, a cliente se esforçou e "despendeu tempo e dinheiro por acreditar que o contrato seria celebrado, sendo surpreendida pela recusa do banco de fazê-lo".

Ele ressaltou que, neste caso, foi constatado o abuso de direito, pois é "injustificável que após a realização dos procedimentos burocráticos necessários para concessão do crédito, a instituição se recuse a entabular o contrato de financimento". Foram apresentadas a nota fiscal de compra do veículo, documento emitido autorizando o faturamento do bem, documentos que comprovam a inexistência de quaisquer restrições junto ao Sistema de Proteção ao Crédito (SPC) e Serasa em nome da cliente.

Para o juiz, ficou caracterizada a responsabilidade civil pré-contratual pelo descumprimento da boa-fé objetiva e dos deveres contratuais. "A cliente tinha todos os motivos necessários para acreditar que, de fato, o banco lhe proporcionaria os recursos prometidos, inclusive com a Transferência Eletrônica Disponível autorizada em prol da concessionária do valor referente ao veículo", frisou.

Rodrigo pontuou que, ao rejeitar o fornecimento de serviço, os fornecedores devem especificar a razão pela qual se reservam o direito de não contratar com determinado consumidor e, neste caso, está configurado o dever de indenizar. "O dano é evidente e se deve aos desgastes desnecessários e transtornos experimentados, sobretudo à quebra de expectativa, quando a cliente se via tão próxima da aquisição de seu veículo e foi surpreendida pela frustração", asseverou.

Fonte: TJ-GO

 
 

PROBLEMAS COM DIREITO DO CONSUMIDOR?

Você tem, ou conhece alguém que tenha, problemas semelhantes ao descrito acima? Nós podemos ajudar! Em DIREITO DO CONSUMIDOR, nossos profissionais defendem os interesses de pessoas físicas e jurídicas, fale conosco. Aproveite para saber mais sobre nossas atividades e leia nossos Artigos e Notícias sobre este tema.

 
 
 

Tags: 

Avaliar Conteúdo: 

Média: 4 (1 voto)