Banco indenizará correntista por débitos indevidos em poupança



Correntista será indenizado em danos materiais e morais em R$ 5 mil. Segundo consta, o motivo da medida é em razão de descontos indevidos pela instituição financeira, que não apresentou provas que os justificassem. Saiba mais.

O Banco do Brasil terá que pagar R$ 5 mil ao correntista José Rodrigues da Silva por danos morais e materiais. O motivo da medida judicial foi a denúncia de aplicação de descontos indevidos na poupança pela instituição financeira, que não apresentou provas contundentes que os justificassem. A resolução do desembargador Stênio José de Sousa Neiva Coêlho, membro da 1ª Câmara do Tribunal de Justiça de Pernambuco, manteve decisão de juiz da 1ª Vara Cível de Palmares, Evani de Barros, e confirmou a concessão de indenização

De acordo com o site Tribunal de Justiça de Pernambuco, na apelação, o Banco do Brasil pediu a “reforma da sentença”, alegando que “sua atuação foi pautada dentro da boa-fé e legalidade e que, portanto, não há que se falar em ato ilícito caracterizador de danos na esfera extrapatrimonial do autor.

O desembargador Stênio Neiva considerou que é incontestável a aplicação do Código de Defesa do Consumidor nas operações realizadas pelas instituições financeiras, conforme a Súmula 297 do STJ. “É pacifico na jurisprudência o entendimento de que nas operações realizadas por instituições financeiras cabem a estas provar que não houve falha na prestação do serviço, pois não se aplicam apenas os princípios civilistas que regem a responsabilidade civil, devendo aplicar também a regra estabelecida pelo Código de Defesa do Consumidor que prevê a responsabilidade objetiva do prestador de serviços, dispondo, no entanto, em seu art. 14, § 3º, do CDC, de duas causas de exclusão da responsabilidade”, diz, no texto da decisão. De acordo com o art. 14, §3º, do CDC, o fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste; e a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

O relator citou súmulas do Superior Tribunal de Justiça e decisões dos Tribunais de Pernambuco, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. O despacho foi publicado na Edição nº 154/2014 do Diário de Justiça Eletrônico (DJe), na terça-feira (26). Ainda cabe recurso de Agravo Interno ou Regimental para levar a Apelação para julgamento na 1º Câmara Cível do TJPE, formada por mais dois desembargadores.

Fonte: DP

 
 

PROBLEMAS COM DIREITO DO CONSUMIDOR?

Você tem, ou conhece alguém que tenha, problemas semelhantes ao descrito acima? Nós podemos ajudar! Em DIREITO DO CONSUMIDOR, nossos profissionais defendem os interesses de pessoas físicas e jurídicas, fale conosco. Aproveite para saber mais sobre nossas atividades e leia nossos Artigos e Notícias sobre este tema.

 
 
 

Tags: 

Avaliar Conteúdo: 

Sem avaliações