Você sabe o que é adicional de insalubridade?



Algumas profissões, pela sua natureza, requerem que seus executores exerçam suas atividades profissionais diante de agentes nocivos, tendentes a prejudicar sua saúde. O adicional de insalubridade procura compensar esse risco. Saiba mais.

Poucas pessoas têm conhecimento, mas nossa legislação trabalhista prevê uma compensação legal sobre o salário para os casos onde se observa que o trabalhador exerce suas atividades exposto a agentes nocivos, com potencial para prejudicar a sua saúde de alguma forma.

Trata-se de um benefício endossado pelo Ministério do Trabalho e previsto na Consolidação das Leis do Trabalho – CLT (artigos 189 a 197). A regulamentação, por sua vez, se dá através da Norma Regulamentadora NR-15, a qual determina quais são os riscos passíveis de gerar o benefício.

É importante observar que a própria CLT prevê formas de neutralização da insalubridade (art. 191). O uso de Equipamentos de Proteção Individual – EPI, por exemplo, é uma forma de neutralizar os possíveis efeitos dos agentes ou condições insalubres. Em tais casos, o adicional de insalubridade não será devido.

 

Quem tem direito ao adicional de insalubridade?

Os critérios para a concessão do adicional de insalubridade são previstos na NR-15 e são observados de acordo com o risco que o trabalhador está exposto. A norma, atualmente, considera que devem receber o adicional os trabalhadores que atuam em atividades que envolvem os seguintes riscos:

 
  • Ruído contínuo e de impacto;
  • Calor e frio;
  • Radiações ionizantes e não ionizantes;
  • Condições hiperbáricas;
  • Vibrações;
  • Umidade;
  • Agentes químicos (caracterizados por limite de tolerância ou por atividade);
  • Poeiras minerais;
  • Agentes biológicos.

Importante observar que, cada risco concebido pela norma é avaliado através de uma regra específica, de forma que cada tema é tratado em um anexo diferente da norma. Há treze anexos vigentes e os riscos mais comuns são os que envolvem os ruídos, as radiações ionizantes e os agentes químicos e biológicos.

Casos que envolvem o risco de ruído contínuo, por exemplo, só são consideradas insalubres após a realização de estudos que comprovem a relação entre o nível do ruído com o tempo de exposição. Assim, trabalhadores em atividades que tenham níveis altos de ruído, mas em que o tempo de exposição seja curto, podem não se encaixar nos critérios para o acréscimo do adicional de insalubridade.

Em se tratando dos ruídos de impacto (aqueles sons de batidos ou estampidos, que apresentam picos com 1 segundo ou menos de duração), no entanto, avalia-se somente se o trabalhador está ou não exposto ao risco, independentemente do tempo de exposição. Os anexos tratam tanto dos limites de tolerância quanto das metodologias de análise e aferição, quando for o caso.

Em todo o caso, nas situações em que pairem dúvidas sobre a incidência do adicional de insalubridade, sempre é necessário que seja feita a perícia técnica.

 

Como o adicional de insalubridade é calculado?

O cálculo do adicional de insalubridade pode variar de acordo com o grau de risco, prevendo o pagamento de 10% para o grau mínimo, 20% para o médio e 40% para o máximo. Contudo, há grande impasse sobre a base de cálculo a ser utilizada para a incidência desses percentuais: o salário mínimo ou o salário do trabalhador?

O artigo 192 da CLT aponta como referência o salário-mínimo da região, mas o tema é polêmico: há decisões judiciais que obrigam o pagamento adotando como referência o salário do trabalhador, ou até mesmo o salário-base da categoria.

Na verdade, há uma grande lacuna sobre o tema em nossa legislação e a solução para tal impasse só se resolveria com o Poder Legislativo elaborando uma lei para abordar o assunto. Enquanto isso acontece, trabalhadores seguem perdendo tempo e dinheiro atrás de seus direitos.

 

Insalubridade ou periculosidade?

Existe, ainda, outro dispositivo legal que prevê pagamento de adicional nas atividades consideradas perigosas. O conceito de periculosidade é diferente da insalubridade, pois o trabalhador não fica exposto diretamente ao agente nocivo, embora exista possibilidade de ferimento ou morte em decorrência da sua atividade.

Sendo assim, ao contrário da insalubridade, a permanência ou habitualidade não é relevante para a caracterização da periculosidade, já que apenas uma fração de segundo submetido a condições perigosas pode ser o suficiente para tornar o empregado definitivamente inválido ou custar-lhe a vida.

As atividades perigosas são abordadas na NR-16 e é importante que toda empresa esteja atenta às condições em que seus trabalhadores exercem suas atividades para que, assim, busque formas de amenizar possíveis riscos. Isso preserva a saúde dos colaboradores e, consequentemente, evita o pagamento de multas e outras despesas altas, como sentenças judiciais.

 
 

FALE CONOSCO

Você se enquadra em alguma das situações apontadas anteriormente ou possui alguma questão relacionada aos assuntos tratados aqui? Nós podemos ajudar! Nossos profissionais são capacitados para defender os seus interesses, quer seja na esfera administrativa ou judicial e em qualquer instância. Além disso, atuamos em favor de pessoas físicas e jurídicas. Veja aqui como obter maiores esclarecimentos sobre os temas abordados nesta página, ou fale conosco para agendar uma consulta ou contratar nossos serviços. Aproveite e saiba mais sobre as nossas atividades em Direito do Trabalho e leia nossos Artigos ou Notícias trabalhistas. Saiba, também, em quais localidades podemos atuar em seu favor, aqui. Aproveite e receba o nosso boletim ou cadastre-se em nosso website.
 

 
 
 

Tags: 

Avaliar Conteúdo: 

Sem avaliações