Descoberta de gravidez após pedido de demissão e a estabilidade gestacional



O desconhecimento do estado de gravidez pelo empregador não afasta o direito da gestante à estabilidade provisória. Com esse entendimento, é possível à trabalhadora pleitear pedido de reintegração ou indenização. Saiba mais.

Conforme nossa legislação, a empregada que fica grávida durante o contrato de trabalho tem direito à estabilidade provisória, pelo período que vai desde o momento da confirmação da gravidez (data em que ficou grávida) até cinco meses após o parto.

Contudo, pode ocorrer de a trabalhadora ser demitida sem saber que está grávida. Da mesma forma, também há casos em que a trabalhadora pede demissão, sem ter conhecimento do seu estado gestacional.

Para os casos em que a trabalhadora toma conhecimento da gravidez após ter sido demitida, é possível pleitear administrativamente a estabilidade. Orienta-se, contudo, que a funcionária notifique a empresa, com cópia do exame onde constatou a gravidez, inclusive, através de carta protocolada junto ao departamento de recursos humanos.

Esse direito é assegurado por lei. Portanto, se a empresa não reintegrar a empregada, ou não a indenizar pelo período da estabilidade, tais direitos devem ser pleiteados através de ação trabalhista.

Se a gravidez ocorreu durante o aviso prévio trabalhado ou indenizado, a gestante também tem direito à estabilidade provisória, já que o período do aviso integra o tempo de serviço.

Entretanto, é de se observar que a concepção deve ocorrer dentro da vigência do contrato de trabalho.

Nossos tribunais trabalhistas, em sua maioria, dão ganho de causa às trabalhadoras em tais situações. Pode ocorrer, entretanto, de a confirmação da reintegração ou o pagamento da indenização pleiteado pelo período da estabilidade somente ocorrer quando o processo chegar ao Tribunal Superior do Trabalho – TST, órgão máximo da justiça do trabalho.

Quando a trabalhadora pede demissão

Há casos, entretanto, em que a trabalhadora, sem ter conhecimento do estado gravídico, pede a rescisão do contrato de trabalho junto à empresa.

Se a descoberta da gravidez ocorrer durante o cumprimento do aviso prévio, a trabalhadora pode informar à empresa e solicitar a desconsideração do pedido de demissão. Também se orienta que essa solicitação seja formal, ou seja, realizada através de carta, contendo cópia do exame de gravidez e devidamente protocolada junto ao departamento de recursos humano da empresa.

A empregada também pode solicitar à empresa que marque a homologação da rescisão junto ao sindicato, mesmo que tenha menos do que um ano de contrato de trabalho. É que existe previsão na CLT (art. 500), estabelecendo que o pedido de demissão do empregado estável só é valido quando feito com a assistência do sindicato e, na falta desse, diante da autoridade local competente do Ministério do Trabalho ou da Justiça do Trabalho.

Durante a homologação, a trabalhadora pode alegar que não quer mais pedir demissão, em razão de ter descoberto a gravidez e que a sua vontade é continuar no emprego.

Em não havendo reconsideração quanto ao pedido de demissão por parte da empresa ou caso a empresa não marque a homologação, a empregada poderá ingressar com uma ação trabalhista, pedindo a reintegração ou indenização.

Não há unanimidade quanto à esse tipo decisões na justiça. Os Tribunais Regionais, bem como TST, têm favorecido ora o empregado, ora o empregador.

Já para os casos em que a empregada pede demissão e descobre após cumprir o aviso prévio que ficou grávida durante o contrato de trabalho, é mais difícil conseguir reverter a situação.

Mas de qualquer maneira, a trabalhadora pode ingressar com uma ação trabalhista, pedindo a reintegração ou indenização.

 
 

FALE CONOSCO

Se você acredita que se enquadra em alguma das situações citadas anteriormente, ou possui alguma questão relacionada aos assuntos tratados neste artigo, saiba: você tem direitos e nós podemos ajudar. Nossos profissionais são capacitados para defender seus interesses, quer seja em na esfera administrativa ou judicial, em primeira e instâncias superiores. Além disso, atuamos em favor de pessoas físicas e jurídicas. Você pode agendar atendimento para a contratação de nossos serviços ou fazer uma consulta jurídica para saber mais sobre o assunto abordado aqui. Aproveite e saiba mais sobre as nossas atividades em Direito do Trabalho e leia nossos Artigos ou Notícias trabalhistas.
 

 
 
 

Tags: 

Avaliar Conteúdo: 

Sem avaliações